Review

Resenha: Nisekoi #01

Por mais comédias românticas no Brasil

Não há dúvidas de que a maioria absoluta dos mangás no Brasil são os de “lutinha”, sejam eles battle shonen tradicionais como Naruto, One Piece e Bleach, sejam seinens dos mais diversos gêneros como Berserk, Knights of Sidonia, ou Lobo solitário.

Poucos são os títulos no país que fogem disso e quem deseja algo diferente acaba tendo que se contentar com um número limitado de obras. Quem gosta de slice of life com romance, comédia ou drama tem poucas obras à disposição, mas 2017 vem conseguindo trazer um número de obras interessantes com One Week Friends, A voz do silêncio, Your Lie In April e, agora, Nisekoi, do qual falaremos nessa postagem.

Escrito e desenhado por Naoshi Komi, Nisekoi é um mangá que foi publicado nas páginas da revista Weekly Shonen Jump, da Shueisha, entre 2011 e 2016, sendo concluído com 25 volumes. A obra tornou-se conhecida após a adaptação em animê e, apesar dos diversos clichês (ou justamente por isso mesmo^^), tornou-se um dos títulos mais pedidos pelos consumidores… Anunciado no Brasil em junho de 2016, só começou a ser publicado um ano depois e agora viemos falar um pouco desse título para vocês…


Sinopse Oficial


Raku Ichijou é um estudante perfeitamente normal – apesar de ser filho do chefe de uma família da Yakuza. Um dia, surge em sua escola uma bela aluna transferida chamada Chitoge Kirisaki. Os dois logo se estranham e não se dão bem de jeito nenhum, mas, por algum motivo, descobrem que precisam fingir que são namorados…


História e desenvolvimento


I

Nisekoi é uma comédia romântica e a história não é diferente de nenhuma outra que você já não tenha visto. O relacionamento arranjado, a garota da promessa, a personalidade dos personagens, etc. Não há nada que você provavelmente já não tenha visto em diversas histórias, sobretudo nesse gênero. Porém, ainda que seja extremamente clichê, o mangá consegue te prender e te divertir justamente por ser simples^^.

Raku deseja uma vida normal, como um estudante normal e sem preocupações maiores. Entretanto, a vida de paz que ele tanto almeja logo termina com dois fatos inusitados: a presença de Chitoge Kirisaki, uma aluna que acaba de se transferir para sua escola, e um péssimo acordo entre seus pais. Assim que se conhecem Chitoge e Raku passam a se odiar, porém em seguida eles descobrem que precisarão fingir ser namorados para evitarem uma guerra entre a Yakuza e uma gangue, cujo líder é o pai de Chitoge O_o.

A partir daí a história se desenvolve com os dois jovens fingindo o relacionamento e, por causa disso, se envolvendo em situações hilárias, com mal entendidos, falta de explicações e atuações constrangedoras. Em poucas páginas o autor consegue delinear bem o perfil dos personagens, o desgosto de um pelo outro, e isso faz com que as situações que acontecem com eles fiquem mais cômicas ainda^^.

A presença das famílias rivais desejando o sucesso de amor entre eles, a desconfiança de um dos membros da gangue, a descoberta do “relacionamento” deles por parte dos colegas de classe, tudo faz a história girar de forma harmônica, tornando a leitura bastante aprazível.

Talvez o único problema do primeiro volume de Nisekoi seja o desenvolvimento da relação entre Raku e Onodera, uma de suas colegas de classe. Inicialmente parece que ele não nutre qualquer sentimento por ela, a não ser uma leve admiração, mas após algumas páginas sem qualquer desenvolvimento a gente já vê que ele parece gostar dela de uma forma especial. Não chega a ser algo que estrague o mangá, mas acaba por chamar a atenção por destoar do restante.

Esse tomo inicial é apenas uma introdução, mas a narrativa mostra que deve existir um triângulo amoroso entre o rapaz, Onodera e Chitoge no futuro, mostrando que as duas personagens tendem a abalar o coração do rapaz. Onodera por ser aquela típica personagem doce, observadora e boa em tudo (ou quase tudo, afinal o mangá é de comédia^^) e Chitoge por ser um pouco parecida com Raku, ter uma personalidade mais raivosa, mas também ter um lado mais meigo do que costuma se mostrar. Mas não é só por isso que claramente existirá um triângulo amoroso…

II

Uma questão que deve ser mencionada é a da  “garota da promessa”. Quando pequeno Raku fez uma promessa com uma garota para que, quando eles se revessem no futuro, pudessem se casar. O rapaz ficou com um pingente em forma de cadeado, enquanto a garota ficou com um em forma de chave, porém ele não se lembra nem do nome e nem do rosto da garota, mas mesmo assim ainda carrega o pingente consigo.

Nisekoi é uma comédia romântica super clichê, então tal pingente decerto é bastante relevante para o desenvolvimento da história. E isso se mostra logo no primeiro volume, com Chitoge e Onodera. É essa promessa que nos mostra mais claramente que irá haver pelo menos um triângulo amoroso, visto que a obra nos diz que as duas têm ou podem ter relação com o pingente e a promessa feita por Raku no passado.

E Nisekoi é tão clichê que a gente já consegue imaginar o final da história facilmente só por esse primeiro volume^^. Isso não chega a ser um demérito, visto que o importante é o desenvolvimento da narrativa e não seu final, o problema é o como essa história se desenvolverá ao longo de 25 volumes..

. Há muitos relatos de quem já leu a história falando que o mangá é muito enrolado. Eu particularmente não duvido disso, mas espero que essa enrolação seja ao menos bem aprazível como foi esse primeiro volume…


A edição nacional e uma comparação


O mangá possui as dimensões 13,7 x 20 cm e miolo em papel jornal, com capas internas coloridas. A edição física está razoável, mas não primorosa. O papel é melhor do que o de Your Lie In April, mas está longe de ser parecido com o de One Week Friends, ainda assim está passável. Você nota transparências nas páginas “brancas”, mas nada fora do normal…

Internamente, a edição da Panini é aquele padrão de sempre com honoríficos para lá e para cá sem qualquer necessidade prática. Como também é costume da editora, a empresa sempre mantém o máximo possível de japonês no texto, indo desde as onomatopeias (que é um padrão geral brasileiro, não somente da Panini) até as placas comumentemente mantidas no original.

Uma comparação

Acerca das placas que falamos acima, abaixo você pode conferir uma comparação entre a versão brasileira de Nisekoi e as francesa e italiana.

Notem que, enquanto a Panini mantém a placa no original colocando uma legenda do lado, as edições francesa e italiana preferiram traduzir. Nas versões estrangeiras, apenas algumas placas são mantidas no original, as de difícil edição pelo que pude observar, de resto tudo é traduzido. Sinceramente prefiro a versão estrangeira por manter a imagem mais “limpa”, mas não me importo muito com a escolha da Panini, só não entendo muito essa lógica de querer ter o máximo de japonesices no mangá.

Só para a comparação não ficar incompleta, vale dizer que a versão italiana não usa honoríficos e as onomatopeias são traduzidas. A edição francesa igualmente não usa honoríficos e possui algumas onomatopeias traduzidas, enquanto outras são mantidas no original.

Entre as versões brasileira e estrangeiras também há diferenças nas romanizações de alguns nomes. O protagonista, por exemplo, é chamado de Raku Ichijo, na versão italiana, Ichijô, na versão francesa, enquanto na brasileira é Ichijou. Não existe certo e errado nessa questão.

*A comparação foi feita utilizando os previews da edição Italiana (clique aqui) e francesa (clique aqui).

Veredicto


Nisekoi é um mangá clichê. Ele veste clichê, usa sapatos clichê, tem olhos clichê, fala clichê e tem tudo mais clichê. Não há nada que aconteça no primeiro volume que você já não tenha visto em outro lugar. O autor criou uma história que só de você ler a primeira vez já te mostra que isso é “cópia” daquilo e aquilo é “cópia” daquilo outro. E, mesmo assim, a história consegue ser divertida e agradar.

A edição da Panini não é a melhor que a gente poderia ter, mas está boa. Então, se você gosta de comédias românticas, Nisekoi vale a pena, ainda mais que temos poucas obras do gênero em nosso país…


Ficha Técnica

TítuloNisekoi

Autor: Naoshi Komi

Editora: Panini

Acabamento: Papel jornal

Número de volumes: 25

Preço: R$ 13,90

Onde comprar: Amazon

***

Curta nossa página no Facebook

 Nos siga no Twitter

BBM

Anúncios

3 thoughts on “Resenha: Nisekoi #01”

  1. O mangá começa bem, mas depois decaí bastante por conta de “fillers” e enrolação que o autor fazia, parecendo o animê de Naruto. Nisekoi eu passo. Boa resenha Kyon!

    Curtir

Deixe sua opinião. Seu comentário é muito importante para nós^^.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s