Retrospectiva 2016 – O escasso ano de light novels?

fate-zeroQuando não há muita novidade…

I

O ano de 2016 pode ser visto de duas formas distintas quando o assunto é light novels, uma positiva e uma negativa. Comecemos pela negativa: 2016 foi um ano escasso de novidades de light novels no Brasil.

Escasso é até elogio. Não tivemos nada. Em 2015 foram anunciadas quatro light novels (K: side blue; Fate/Zero; Log Horizon; e Morte), além de Another (que não pertence a esse gênero, mas também faz parte desse mundinho dos mangás e animês). Era uma fagulha de esperança de que, a partir de agora, pudéssemos começar a ter um mercado de light novels no Brasil. Mas 2016 passou em branco e não tivemos o anúncio de nenhuma outra obra para 2017.

A verdade é que esperança era algo que não devíamos ter, afinal  apenas uma editora estava investindo nesses livrinhos e a mesma é conhecida pelo ritmo lento de publicações, constantes atrasos, etc. É evidente que a editora deve estar negociando outras e, talvez, até já tenha licenciado uma ou outra série, mas mesmo assim não se deve ter esperança de que aquela obra que você tanto quer seja publicada no Brasil em um período curto.

A cada ano mais a mais séries de light novels ficam famosas devido a adaptações em animê e os fãs pedem à exaustão e, como deve ser claro para todos, é impossível uma única editora licenciar e lançar cada uma das novas tendências que vão surgindo ano após ano. Basta ver o exemplo dos mangás em que séries ganham notoriedade e muitas delas só são lançadas anos depois, se tiver sorte. Então devemos apenas aproveitar o que temos no momento e só…

II

Apesar da escassez de anúncios de novas séries, 2016 foi um ótimo ano para quem curte light novels no Brasil, ao menos as lançadas por aqui. Se não tivemos anúncios, tivemos lançamentos com a publicação de volumes de No game No life, Fate/Zero e Log Horizon. Isso sem contar do livro Number Six.

Ao todo foram 9 tomos publicados. Considerando que a NewPOP sofreu com problemas de papel, falta de tradutores, entre outros, ter conseguido lançar tantos volumes de novels é uma vitória. Para o leitor, ter tantos livrinhos à disposição também não foi nada mal. No todo, para quem gosta dos livrinhos japoneses até que foi um bom ano e quase nada a reclamar…

Abaixo você confere as capas dos volumes publicados este ano.

***

Leia também:

Retrospectiva 2016: uma nova perspectiva para shoujos e joseis no Brasil?

Retrospectiva 2016: De novo, o ano dos relançamentos

Retrospectiva 2016: Mudanças de distribuição

Retrospectiva 2016: Databooks e Artbooks

BBM

Anúncios

Sobre Kyon_45

Criador do BBM. É fã de Haruhi Suzumiya e das obras do grupo CLAMP.
Esse post foi publicado em Retrospectiva e marcado , . Guardar link permanente.

15 respostas para Retrospectiva 2016 – O escasso ano de light novels?

  1. Fabio Rattis disse:

    a Panini tem uma grande franquia em mãos, e não investe, fico triste, SAO já tem 19 vol. e eles enrolando até para lançar os mangás. eu fiz a minha parte, comprei as Novels Disponiveis do NoGameNoLife. e vamos esperar para um 2017 melhor.

    Curtir

  2. Huss disse:

    Uma pergunta: existe algum setor da Panini(ela como um todo) que investe em livros de forma geral?

    Curtir

  3. TDA disse:

    Complicado para LNs aqui nesse país, dou graças aos céus que a NP ainda traz algumas, mas tenho minhas dúvidas de quanto tempo ela “aguentará” no mercado de Light Novels. Isso é uma pena pois tem muita coisa boa que poderia vir pra cá, como SAO, Re:Zero, DanMachi, Kimi no Na Wa, entre outros.

    Curtir

    • anon disse:

      Esse ano não foi dos melhores pra NP, mas acho que se as LN estivessem dando prejuízo eles não teriam trazido mais do que 2 ou 3… acho que pra eles é até interessante ser praticamente a única editora que publica LNs porque eles acabam virando referência de certa forma, o mesmo para outros gêneros mais de nicho, tipo yaoi ou yuri, as pessoas geralmente acabam pedindo esse tipo de mangá mais pra eles do que pra outras editoras.

      Curtir

  4. Canoa Furada disse:

    Boa análise, infelizmente ainda restrito a apenas uma única editora.

    Seria legal se a L&PM investisse nessa área também. Não sei se aquela coleção de obras da literatura adaptados em mangá está fazendo sucesso, seria até um incentivo pra editora se arriscar nessa.

    Curtir

  5. Pingback: Retrospectiva 2016 – Editora NewPOP | Biblioteca Brasileira de Mangás

  6. Pingback: Retrospectiva 2016 – A editora Panini | Biblioteca Brasileira de Mangás

  7. Mas não anunciou nada também pq nenhuma das novels atuais tá encostando.

    A mais perto é NGNL, mas como a NewPOP lança uma a cada 3-4 meses, não tá exatamente perto.

    Curtir

  8. Pingback: Retrospectiva 2016 – Outras editoras | Biblioteca Brasileira de Mangás

  9. Pingback: Retrospectiva 2016 – Lançamentos de 2016 | Biblioteca Brasileira de Mangás

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s