Review

Resenha: Alice hearts #02

aliceO país dos corações é complicado…

Atenção: conterá Spoilers

O primeiro volume de Alice Hearts terminou com um cliffhanger interessante. O chapeleiro que parecia gostar muito de Alice disse não a amava e que só tinha um interesse passageiro e, quando passasse, bastava matá-la. Esse cliffhanger – como qualquer outro – gerou uma grande expectativa de que coisas fossem reveladas e existisse uma verdade mais cruel por trás do “jogo”. Entretanto o segundo volume começa com o mesmo clima de mistério, com todos tratando Alice muito bem ou parecendo amá-la, que ocorrera no primeiro volume. Na verdade, mesmo a expectativa gerada no final do primeiro tomo foi dilacerada em poucas páginas…

Alice Hearts
Alice Hearts

Ao menos, em partes foi isso o que aconteceu. Um pouco do mistério envolvendo esse mundo começou a ser revelado, em especial a questão da morte e a função do relojoeiro. No primeiro volume já havíamos visto o quão descartável parecia ser a vida naquele mundo, afinal se um soldado morresse um outro viria assumir seu lugar. Agora no segundo tomo entendemos de verdade o raciocínio e, com isso, descobrimos uma parte do funcionamento do “país dos corações”.

Todos os habitantes desse mundo possuem um relógio no lugar do coração e quando eles morrem o relógio pode ser consertado pelo relojoeiro dando vida novamente a uma pessoa. E note, a uma outra pessoa. Todos consideram normal que se morrerem serão substituídos em seguida, eles não possuem aquele sentimento de perda de um ente querido e o sentimento de manter-se vivo. E é Alice que começa a passar esse sentimento a alguns personagens.

Esse país dos corações parece extremamente gelado e artificial. Por mais que as pessoas se tratem bem aqui e ali, parece que nenhuma delas se importa de fato com os demais. Esse é, talvez, o resultado dessa “vida” por meio dos relógios.

Entretanto algo não se encaixa muito bem. Se eles são assim e não se importam com as pessoas que se vão, então porque a profissão de relojoeiro é tão mal vista? O objetivo do relojoeiro é consertar os relógios e trazer a vida de novo a eles, ainda que esse “eles” sejam outros completamente diferentes; então se as pessoas não se importam com a morte não haveria motivo de o relojoeiro ser mal visto.

O que deu para compreender nesse volume é que algumas (ou muitas?) pessoas se importam sim com as pessoas que se vão. O grande exemplo disso é o personagem Elliot que trabalha para o chapeleiro. Ele foi condenado à prisão por destruir o relógio de um amigo morto, pois este era seu desejo, não reviver como outra pessoa. O chapeleiro o ajudou a fugir e ainda prometeu que quando ele morresse, ele o mataria de verdade, isto é, destruiria o relógio.

A individualidade da vida, nesse sentido, deve estar impregnada em muitas pessoas do país dos corações, por isso também o ajudante do relojoeiro teve que matar um monte de gente que queria proteger os relógios dos amigos recém falecidos…

A questão que fica, portanto, é porque as pessoas próximas à Alice parecerem não se importar tanto com a vida dos outros. Será um mero disfarce aos reais sentimentos? Ou será que eles se sentem assim por serem os líderes (ou estarem próximos aos líderes) das facções que estão no “jogo”? E qual é a função de Alice nisso tudo? O que o fato de ela ser uma forasteira e ter um coração em vez de um relógio tem a ver com o comportamento do personagens perante a ela? Tudo isso ainda fica em suspenso…

***

Em tempo: Peter White, o coelho branco que levou Alice a esse mundo, continua insuportável.

BBM

Anúncios

5 thoughts on “Resenha: Alice hearts #02”

  1. Eu moro no RJ, e recentemente passei em algumas bancas e por acaso em algumas delas encontrei títulos da NewPop, como Alice Hearts, Street Fighter Alpha (e aquele spin off da Sakura), 5cm por Segundo, Usagi Drop e Red Garden. Kyon o fato de que os mangás da NewPop não vendem como os da Jbc e Panini em bancas, é por isso que eles estão vendendo somente online agora e pararam de distribuir eles.em bancas?

    Curtir

    1. Primeiro, os mangás da NewPOP não vendiam menos que os da JBC em banca de revista. Ao menos ninguém pode afirmar isso com 100% de certeza sem estar dentro das empresas. Logo, esse não é o motivo da NP ter abandonado as bancas de revista.

      Segundo, o motivo da editora ter abandonado às bancas já foi dito pela empresa e está nesta postagem:

      https://bibliotecabrasileirademangas.wordpress.com/2016/02/26/newpop-anuncia-que-ira-deixar-de-trabalhar-em-bancas/


      Em tempo: a NewPOP não está vendendo só online. Pode comprar ou encomendar os produtos da empresa em qualquer livraria ou loja especializada.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Boa resenha,tenho os 2 primeiros volumes,gostei do traço dele,já pelas capas,e notei que o roteiro não tem nenhuma pressa em explicar os mistérios propostos,foram necessários 2 volumes para que Alice soubesse como as pessoas lidam realmente com a morte na história,acho que,talvez,no próximo volume o enredo se intensifique.

    Curtir

  3. Obrigado pela resenha. A NewPop lançou um pacote completo com todos os volumes e fiquei interessada, pois sou fã da história desde pequenina. Acho que vou comprar. Se eu comprar posto as evidências em outro comentário aqui. Abraços.

    Curtir

Deixe sua opinião. Seu comentário é muito importante para nós^^.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s