Retrospectiva

Análise do mês de outubro de 2015

dbVenha relembrar como foi o divertido mês de outubro^^.

Como todo início de mês, o blog Biblioteca Brasileira de Mangás vem apresentar a vocês, leitores, uma retrospectiva do que aconteceu no mês anterior no mercado brasileiro de mangás. Caso você tenha perdido alguma notícia ou algum fato que aconteceu agora é a hora de ficar sabendo. Vamos à postagem?.


TÍTULOS PRESENTES NOS CHECKLISTS DAS EDITORAS


Em Outubro de 2015 foram colocados nos checklists das editoras 40 títulos (39 mangás e uma light novel), um a menos que em setembro. JBC e Panini tiveram cada uma 17 lançamentos. Pelo segundo mês seguido, Abril e Nova Sampa não lançaram mangás ou divulgaram checklist. Newpop lançou 4, enquanto Conrad e Astral Comics 1 mangá cada.

table

Obs: vale lembrar que o checklist de Panini e Newpop se estende até o dia 10 de novembro, então as editoras têm até essa data para publicarem seus títulos.

LANÇAMENTOS


Orange

Em outubro tivemos o lançamento dos seguintes títulos:

Sword Art Online – Fairy Dance (Panini)
Gangsta (JBC)
Orange (JBC)
Bullet Armors (JBC/Ink Comics) – Para ler a resenha do título, clique aqui.


DESPEDIDAS


dragon ball 42

Terminaram em outubro: Dragon Ball (Panini), Sailor V e Enigma (ambos da JBC), e o mangá francês Tengu-do (Astral Comics).

Há duas grandes dúvidas no momento. Primeiro, será que a Panini lançará mais alguma obra do Akira Toriyama? Os títulos curtos lançados no passado pela Conrad podem ser uma boa pedida, mas será que um Dr. Slump teria boa aceitação no Brasil? Talvez no fim do ano teremos alguma novidade….

A outra dúvida é se a Astral Comics irá publicar mais algum mangá. Até o momento não há informação nenhuma por parte da editora.


HIATOS


blood lad 13Em outubro foram publicados novos volumes CDZ – Lost Canvas Gaiden (JBC) e Blood Lad (Panini), curiosamente ambos com o décimo terceiro volume. 

Leia também: Como andam os mangás em hiato da Panini e Os mangás em hiato da JBC


ANÚNCIOS


blade 01Em outubro tivemos o anúncio de dois novos mangás. O relançamento de Blade, a lâmina do imortal (em formato Big) e HP Lovecraft em mangá. Ambos os títulos foram anunciados pela JBC.

Os dois mangás devem sair na CCXP em dezembro. Outro anúncio realizado pela JBC é a vinda do mangaká Hiro Kiyohara ao Brasil. Ele é o desenhista do mangá Another.


MANGÁS DIGITAIS


dalai_capa_divulga_o_baixa Editora tambor disponibilizou digitalmente na Amazon seus dois mangás Dalai Lama e Gandhi. Mais informações: clique aqui.


PREÇOS


air gear 31Air Gear subiu de preço, passando de R$ 12,90 para R$ 13,90.

To love-Ru sairá por R$ 13,50.

Fate Stay Night sairá por R$ 12,90.


COMENTÁRIOS E CONCLUSÕES


Outubro foi um mês com polêmicas, como a que ocorreu em torno do formato BIG, da JBC. Com o Anúncio do relançamento de Blade em formato big ocorreu uma enxurrada de comentários negativos a respeito do formato. Em um mercado em que praticamente não há inovações é interessante ver como os próprios consumidores agem egoistamente criticando quem ousa fazer algo um pouco diferente.

Felizmente quem critica é uma minoria sem visão e que deseja ver o nosso mercado bem estagnado. Fica a nossa torcida para que o formato Big dê certo e que outras editoras (como a Nova Sampa) pensem em utilizar o formato futuramente.

***

Outra polêmica, que começou o mês passado e se estendeu para outubro, foi em relação à questão do papel transparente. Diferentemente do mimimi por causa do formato Big, esta reclamação tinha um sentido prático de existir, pois a experiência da leitura acaba sendo prejudicada. Já a um tempo, alguns mangás tem saído com páginas um pouco mais transparentes do que estávamos acostumados (casos de Naruto Gold e Ultraman, por exemplo) e isso chegou ao limite com Gangsta, obrigando a JBC a esclarecer a situação, no vídeo abaixo.

O vídeo é bem claro, objetivo e explicativo. A editora está fazendo experimentações com o papel offset (com marcas e gramaturas diferentes) para não elevar demais o preço dos mangás. Ela prometeu melhorias em Gangsta, mas não em outros títulos, como o citado Ultraman, pois o mangá teria tido boa aceitação. Na ocasião escrevi o seguinte:

O problema é que as explicações não consertam as falhas e a perda de leitores acabará sendo inevitável. Aí fica a questão: será que a JBC espera que esse problema do papel não afete a imagem da editora para seus futuros títulos? Se já existem haters que não compram títulos da editora por puro mimimi (i.e adaptação), imagine então quando há reais motivos para reclamação? É uma questão a se pensar…

Os desenvolvimentos desse problema veremos nos próximos meses. Se houver mesmo uma considerável perda de leitores é nítido que a editora tomará uma nova atitude, seja aumentando a qualidade de seus futuros lançamentos (e consequentemente, o preço), seja voltando ao papel jornal. Se as pessoas apenas reclamarem e mesmo assim continuarem a comprar os produtos, efetivamente nada mudará. Não estamos inventando a roda, afinal todos se lembram do que aconteceu em 2011, não é mesmo?

***

Fora as polêmicas, outubro foi mais um mês interessante para o Mercado Brasileiro de Mangás, em especial pelo anúncio da vinda de mais um mangaká ao país. Sem dúvida foi algo realmente inesperado e digno de comemoração. Tudo bem que o Kiyohara não é um Kishimoto ou um Oda da vida, mas a presença de artistas nipônicos no Brasil é sempre bem-vinda^^.

Biblioteca Brasileira de Mangás

Anúncios

4 thoughts on “Análise do mês de outubro de 2015”

  1. Quem sabe, se a vinda do kiyohara fizer sucesso, a jbc ou mesmo outras editoras não decidem trazer outros mangakás, como o Watsuki?De qualquer forma, só o fato de mangakás estarem vindo pra cá pra mim já é uma grande conquista, vc não concorda kiyon?

    Curtir

    1. Sucesso não deve influenciar tanto…

      Quer dizer, influencia sim, mas não adianta fazer sucesso se outros mangakás forem convidados e não puderem vir…
      —–
      Sim, é o segundo ano seguido com eventos com mangakás, dois no mesmo ano. Então é uma evolução e tanto^^. Mas se vai se tornar constante, isso não tem como saber….

      Curtir

    1. Houve algum problema com o papel ou com a gráfica e JBC e Panini lançaram mangás com páginas muito transparentes (Kobato, da JBC, e Sora no Otoshimono, da Panini).
      O problema de 2011 foi mínimo, quase imperceptível comparado com Ultraman, por exemplo, mas houve reclamações e mais reclamações. Entretanto a maioria das pessoas que reclamaram continuaram comprando e o resultado foi não ter qualquer mudança significativa.

      A longo prazo vimos mudança para melhor, mas não do jeito que gostaríamos…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s